Saltar para: Post [1], Comentar [2], Pesquisa e Arquivos [3]

Exercício de escrita

O flagelo do interruptor

28.08.22

Sigo algumas páginas de maternidade e não sigo mais porque lamentavelmente não vejo alguns dos verdadeiros flagelos da parentalidade a ser abordados. Falam da gravidez, da amamentação, de violência obstétrica, mas não vejo uma alma a falar da calamidade dos interruptores.
Isso. Leram bem. Vou pôr a minha unha mal amanhada na ferida e falar das luzes que ficam por apagar.

As crianças são com os pirilampos: deixam um rasto de luz por onde o rabo passa. E é impossivel fugir ao desespero e à conta da luz.

Não tenho como saber o que acontece nas outras casas onde reina o amor com cheiro a algodão doce e sabor a caramelo salgado dentro de prazo, mas eu passo o dia a assinalar o estado da iluminação das assoalhadas: luz da casa de banho ligada, a luz do quarto ainda está ligada, a luz do escritório ficou acesa, e por aí em diante. Pareço a voz do intercomunicador do prédio que insiste em descrever o evidente: a porta está aberta, a porta está a fechar, a porta fechou.

Sinto que estou a falhar ao ambiente, à EDP e acima de tudo à minha carteira.

É como se as falangetas do menor ficassem em chagas sempre que se aproximam do dispositivo que permite gerir a iluminação, mas se é alergia é muito seletiva porque só tem efeito à saída.

As vezes toma conta de mim uma imensa vontade de arranjar uma fisga para lhe acertar com ervilhas congeladas lombo.

Convenço-me que há mais pessoas desesperadas por esse mundo fora e que precisamos de um grupo, tipo interruptores anónimos, para que possamos desabafar a nossa dor.

 

Podem subscrever a minha Newsletter "Autoterapia" aqui.

Comentar:

Mais

Se preenchido, o e-mail é usado apenas para notificação de respostas.

Este blog tem comentários moderados.